Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
7/08/19 às 10h59 - Atualizado em 7/08/19 às 10h59

Reciclar, uma atitude de respeito à vida

*AGÊNCIA BRASÍLIA

 

Quando você muda, o mundo muda. A frase parece escrita para Poliana Feitosa Teixeira, de 31 anos. A catadora de materiais recicláveis se orgulha do trabalho que faz. Com os rendimentos e mais o salário que o marido ganha com “bicos” de pedreiro, consegue manter a família. Cuida da casa, em Santa Luzia – “subúrbio da Vila Estrutural”, diz – e alimenta os filhos Gabriel e Davi, de 11 e 5 anos, respectivamente. Para quem acha que ganhar a vida com o lixo é desumano, ela avisa: “O desumano é a sociedade não ser informada da importância da separação do resíduo que produz”.

 

O cuidado de cada um em separar orgânicos e recicláveis em casa ou no trabalho se reflete no ganha-pão de Poliana, que trabalha na Cooperativa de Trabalho de Reciclagem Ambiental (Construir). A instituição, assim como a Coorace (Cooperativa de Reciclagem Ambiental da Cidade Estrutural) e a Cortrap (Cooperativa de Reciclagem, Trabalho e Produção), integra a estrutura da  Instalação de Recuperação de Resíduos (IRR), mantida pelo Serviço de Limpeza Urbana (SLU).

 

Essas três cooperativas  – que, no total, reúnem 180 pessoas – têm contrato de prestação de serviço assinado com o SLU. Por meio desse instrumento, os cooperados ganham uma renda fixa maior do que o valor equivalente ao que vendem após o trabalho de separação de materiais.

 

Após conhecer a história de Poliana, a Secretaria de Meio Ambiente (Sema) enviou ao “caminho do lixo” uma equipe da qual fizeram parte, entre outros servidores, a comissão gestora da coleta seletiva solidária. Responsável pela execução da Política Nacional de Resíduos Sólidos no DF, a Sema, que realizou a visita na quinta-feira (2), também coordena trabalhos de mobilização, sensibilização e orientação para a coleta seletiva no DF.

 

Cooperativismo

 

Poliana estuda à noite e está prestes a terminar o ensino médio. Com a oportunidade de atuar na IRR, ela pode cumprir expediente, usar equipamentos de segurança e trabalhar em sistema de cooperativismo. O pagamento varia de acordo com a quantidade separada. O problema é que a coleta, observa a cooperanda, “não está vindo como antes”.

 

Isso significa que é preciso investir na conscientização sobre a importância de consumo e descarte conscientes. “Para que a IRR tenha eficiência, é necessário que a população faça o descarte adequado e disponibilize seus resíduos recicláveis de acordo com os dias e horários definidos pelo SLU”,  orienta o titular da Subsecretaria de Gestão das Águas e Resíduos Sólidos (Sugars) da Sema, Jair Tannús.

 

O caminho do lixo

 

A IRR recebe diariamente cerca de 32 toneladas de resíduos, carga transportada por sete ou, às vezes, oito caminhões. Ao chegar lá, os veículos despejam o conteúdo em um silo onde os sacos maiores são rasgados por trabalhadores para que seu conteúdo passe de forma mais fácil pelas esteiras e, de lá, chegue à equipe responsável pela separação.

 

Quando a coleta seletiva não é feita, chegam também os rejeitos. Além de tomar o tempo dos cooperados, esse tipo de material atrai ratos, moscas e coloca em risco a vida dos trabalhadores – que Poliana, fundamentada na prática diária de trabalho, considera agentes ambientais.

 

Da esteira, o lixo é lançado em grandes sacolas, chamadas de bags, que agrupam os materiais já prontos para a destinação final. O rejeito é levado para o Aterro Sanitário de Brasília, projetado para comportar 8,13 milhões de toneladas de rejeitos (materiais não reutilizáveis) e, com isso, ter vida útil de aproximadamente 13 anos.

 

Lixão

 

O fechamento, em 2018, do conhecido Lixão da Estrutural – maior da América Latina e segundo maior do mundo –, local de onde Poliana tirava o sustento antes da criação da IRR, promoveu mudanças no cotidiano dos catadores. O resultado é que suas organizações podem firmar contratos de prestação de serviço com o Governo do Distrito Federal (GDF), a exemplo do que acontece no IRR. Assim, os profissionais dessa área são contratados para fazer coleta seletiva e triagem de resíduos sólidos. Hoje, 29 cooperativas funcionam sob esse sistema.

 

“Nós fazemos o meio ambiente melhorar; o que seria dele sem os catadores?”, atenta Poliana. “O problema é o descarte malfeito. E quando nos furamos com agulhas, correndo o risco de contaminação?”

 

Experiência

 

De acordo com a assessora técnica da Sugars, Amanda Meireles, sensibilizar toda a população do DF para fazer a separação adequada do lixo é um grande desafio da atualidade. “É preciso que os resíduos recicláveis cheguem com boa qualidade às Instalações de Recuperação de Resíduos e possam ser transformados em renda para os catadores de materiais recicláveis, além de gerar maior aumento da vida útil do Aterro Sanitário de Brasília e a preservação do meio ambiente”, explica.

 

Conhecer de perto o trabalho do IRR chamou a atenção da técnica da Subsecretaria de Gestão Ambiental e Territorial (Sugat) Leides Meireles. Ela disse que já separa os resíduos em sua casa, situada em um condomínio no qual o lixo também é selecionado e acondicionado em contêineres apropriados. “Mas vou sair daqui contando a todo mundo o que vi e falando sobre a importância da coleta seletiva para quem trabalha aqui”, prometeu.

 

Serviço

 

Visitas a alguma unidade da Instalação de Recuperação de Resíduos devem ser solicitadas por e-mail enviado ao SLU pelo seguinte endereço: ambiental.slu@gmail.com.

 

*Com informações da SEMA

 

SLU - Governo de Brasília

Serviço de Limpeza Urbana do Distrito Federal

Serviço de Limpeza Urbana do Distrito Federal SCS Quadra 08 Bloco “B50” 6º andar Edifício Venâncio 2000 - CEP: 70.333-900 Telefone: (61) 3213-0153